Home CIDADES SILVA JARDIM SEGUNDO O MP O PREFEITO DE SILVA JARDIM ESTÁ ENVOLVIDO EM FRAUDE, EMPRESA DE FACHADA E DESTINAR R$50 MIL PARA EVENTO QUE NÃO ACONTECEU

SEGUNDO O MP O PREFEITO DE SILVA JARDIM ESTÁ ENVOLVIDO EM FRAUDE, EMPRESA DE FACHADA E DESTINAR R$50 MIL PARA EVENTO QUE NÃO ACONTECEU

17 min read
0
0
17

Promotores investigam contratos, prefeitos e ligações obscuras com vereadores e empresas

Rio – O espectro da corrupção e do favorecimento político ronda alguns municípios do Rio e revela ligações obscuras de prefeitos com vereadores e empresas. Dois dias após Luciano Mota (ex-PSDB) perder o mandato em Itaguaí, na vizinha Seropédica Alcir Fernando Martinazzo (sem partido) foi cassado por oito votos a dois na sessão de ontem. Em comum, Mota e Martinazzo tinham um hábito: pagar por colaboradores que não apareciam para trabalhar.

Em Itaguaí, Weslei Pereira (ex-PT, com um pé no PSB), o vice que se tornou prefeito em exercício há três meses e foi efetivado há dois dias, encontrou 410 funcionários fantasmas e mais 226 “encostos”, que só apareciam na folha de pagamento, mas nunca foram nomeados para qualquer cargo, em qualquer secretaria. Em Seropédica, o número de fantasmas ainda não foi contabilizado.

rb1
Ferrari usada pelo ex-prefeito Luciano Mota em Itaguaí virou símbolo da corrupção nas prefeituras do Rio Foto: Divulgação

Em Mangaratiba, o Ministério Público prevê que pelo menos 100 dos 1,4 mil contratados irregularmente pelo ex-prefeito Evandro Bertino Jorge, o Capixaba (PSD), também só frequentem a folha de pagamento. E foram indicados justamente por aqueles eleitos para fiscalizar as contas do prefeito: os vereadores, que usavam os cargos para empregar parentes.

O forte esquema de corrupção montado nas prefeituras também assusta (e revolta) a população de vários municípios. São serviços superfaturados, sem licitação ou para favorecer empresas. Em Silva Jardim, o MP pediu o afastamento do prefeito Wanderson Gimenes Alexandre (PRB) após descobrir um pregão com “cartas marcadas”.

Já em Itaguaí, o ex-prefeito ‘playboy’, mais conhecido por passear de helicóptero e Ferrari que por sua gestão, também gostava de contratar obras fantasmas. “Milhões e milhões eram pagos a empresas que não prestavam serviços”, diz Weslei. Em Teresópolis, o MP investiga as ligações entre o prefeito Arlei Rosa (PMDB) e seus aliados na Câmara. Sete comissões processantes abertas para investigar irregularidades em sua gestão já foram arquivadas este ano.

Em Mangaratiba, até defundo era nomeado com salário de R$ 2,5 mil

Na caçada aos funcionários fantasmas da Prefeitura de Mangaratiba, o Ministério Público já identificou pelo menos um que está além da vida. Mesmo morta, uma senhora foi nomeada na Secretaria Municipal de Turismo no final de 2014, com salário de R$ 2.500. As informações constam de procedimento que investiga 100 nomes de contratados na gestão do ex-prefeito Evandro Bertino Jorge, o Evandro Capixaba (PSD), cassado mês passado por 10 votos a um. O grupo teria conquistado os cargos por indicação de vereadores. Os 11 políticos são suspeitos de integrar o esquema de corrupção montado por Capixaba, preso sob a acusação de fraudar contratos de licitação.

Como O DIA publicou com exclusividade quinta-feira, o vereador José Maria de Pinho, o Zé Maria, do PSB, revelou ao MP que recebia R$ 10 mil em dinheiro por mês. E mais R$ 10 mil pelas nomeações de pai, mulher, irmão e mais três pessoas. O presidente do Conselho de Ética da Câmara, José Luiz Figueiredo Freijanes, o José Luiz do Posto, abriu uma sindicância. Todos os parlamentares foram convocados para prestar esclarecimento segunda-feira, a partir das 10h.

rb2
Para MP, todos os 11 vereadores são suspeitos de integrar esquema de corrupção Foto: Divulgação

Em nota, o vereador Alan Campos da Costa, o Alan Bombeiro (SDD), informou que não recebeu propina em troca de apoio político ao ex-prefeito. Ressaltou ainda que era oposição ao governo. “Não há problema algum futuramente ser interrogado pelo MP. Quem não deve, não teme”, afirmou.

Segundo depoimento de Zé Maria, o ‘homem da mala’ era o vereador Pedro Capixaba, sobrinho do prefeito cassado Evandro Capixaba. Pedro teria pago pessoalmente a Zé Maria R$ 80 mil em dinheiro. Pedro nega as acusações. O salário de um vereador é de R$ 7.515,88 por mês, com direito a mais R$ 8 mil para a contratação de pessoal. Eles ainda recebem mais R$ 4.400 por mês, para participar de congressos. Em abril, o MP denunciou Evandro Capixaba e mais 43 por fraudes em licitações de contratos avaliados em R$ 10 milhões. Eles respondem por formação de quadrilha, falsificação de documentos e coação a testemunhas.

Auxiliar de cozinha distribuía material de propaganda de prefeito cassado

Após duas horas de sessão, os vereadores de Seropédica aprovaram o relatório final da Comissão Processante, instalada em fevereiro, que constatou a contratação de funcionários fantasmas e a apropriação indébita pelo não recolhimento de INSS dos funcionários da Prefeitura e da Câmara. A ausência de resposta aos requerimentos enviados pela Casa à prefeitura, entre eles documentos referentes às licitações, também foi um dos motivos do impeachment de Alcir Fernando Martinazzo (sem partido).

Entre os fantasmas encontrados na investigação, estava o funcionário Angelo de Souza de Almeida, contratado em junho do ano passado para ser auxiliar de cozinha na Secretaria de Serviços Públicos. Segundo o relatório da Comissão, ele só exerceu a função por um mês, quando foi colocado à disposição “para distribuir esporadicamente material de propaganda da administração e pessoal do prefeito.”

rb3
Em Seropédica, prefeitura recolhia e não repassava INSS de servidores, outro motivo da cassação Foto: Divulgação

Aproximadamente 200 pessoas acompanharam a sessão. Martinazzo não compareceu. O procurador geral de Seropédica, Harley Siquara, negou as acusações e informou que Martinazzo recorrerá da decisão até terça-feira. “Não nos deram direito de defesa”, alegou. O vereador Oscar José (SDD) contestou a decisão por acreditar que “não havia elementos suficientes para a cassação”. Já o o relator Ball da Farmácia (PT) comemorou: “O Martinazzo achava que nunca seria cassado. A cidade estava abandonada e cheia de problemas. Foi uma vitória.”

Após a votação, com direito a queima de fogos, aconteceu a cerimônia de posse do presidente da Câmara, Wagner de Oliveira, o Waguinho do Emiliano (PRB). Ele assumiu a prefeitura porque o substituto de Martinazzo, o vice-prefeito Zealdo Amaral, morreu em setembro do ano passado, vítima de infarto fulminante. Ainda ontem, em seu primeiro ato como prefeito, Waguinho proibiu o abastecimento de veículos e a retirada de documentos e equipamentos das secretarias e demais órgãos do governo.

Ao DIA , admitiu não ter conhecimento de como andam as finanças, nem a estrutura administrativa da prefeitura. “Faremos uma auditoria. É tudo muito novo para mim”. Vice-presidente da Câmara, Oscar José de Souza (PSB) assumirá a vaga deixada por Waguinho.

ale
Empresa de fachada publicava atos oficiais do município, diz nova denúncia Foto: Divulgação

 Em Silva Jardim, prefeito pagou por evento que nunca foi feito, segundo MP

A fraude em uma licitação no valor de R$ 20 milhões feita pela Prefeitura de Silva Jardim, denunciada pelo Ministério Público, que pediu o afastamento do prefeito Wanderson Gimenes Alexandre (PRB), como publicado no DIA de ontem, é apenas uma das várias investigações do MP contra o Poder Executivo municipal. Na semana que vem, o MP deverá entrar com uma ação civil pública também de improbidade administrativa por um evento de motocross pago pela prefeitura, mas não realizado, no valor de R$ 50.720.

Em outra denúncia contra Wanderson, o MP também identificou a contratação irregular pela prefeitura de uma empresa de fachada que seria responsável por publicar os atos oficiais do Executivo. Teriam sido identificados repasses do valor por parte da empresa para a Secretaria de Comunicação Social, no ano passado. No último dia 30, a Promotoria de Justiça de Silva Jardim também ganhou liminar na Justiça contra o prefeito em que o impedia de fazer novas contratações de terceirizados na área de educação.

Segundo a promotoria, pelo menos um terço dos funcionários da prefeitura hoje são terceirizados. Na decisão, a juíza Juliana Cardoso de Barros, da Comarca de Silva Jardim, determinou que a prefeitura não poderá fazer novas contratações temporárias de profissionais vinculados à rede municipal de educação, sob pena de R$ 10 mil, e que realize concursos públicos.

O vereador Hélio Alfradique da Cunha Júnior (PSD) também denunciou o prefeito pela construção de uma ponte supostamente feita em uma propriedade particular. Júnior afirmou ontem que também irá entrar com pedido de CPI na Câmara para investigar a licitação fraudulenta de R$ 20 milhões, segundo o MP, em que a empresa General Contractor teria vencido. “Isso é terrível para o município, que passa por muitas dificuldades, principalmente na saúde e educação”, disse. Ontem a empresa mandou nota para O DIA negando que tenha sido beneficiada pelo contrato, que foi rescindido. Hélio é um dos dois únicos vereadores de oposição da Câmara de Silva Jardim, que tem nove cadeiras.

Jornal O Dia
Reportagem de Adriana Cruz, Constança Rezende, Felipe Carvalho e Rosayne Macedo
Titulo Original:Escândalos de corrupção assombram prefeituras do estado

Load More Related Articles
Load More By Administrador
Load More In SILVA JARDIM
Comentários estão fechados.

Verifique Também

MENSAGEM SOBRE MULTA QUEM NÃO FIZER BIOMETRIA É FALSA

Circula na internet e em grupos de conversas uma mensagem atribuindo à Justiça Eleitoral a…